sábado, 12 de janeiro de 2013

Como vai?


– Boa tarde.

– Boa tarde, como vai, Fábio?

– Nem tudo tão bem.

– Conte-me dos seus problemas.

– Então doutor, estou pensando demais.

– Sei...

– ...

– Acabou?

– Sim, acabou.

– Ok. Conte-me como são esses pensamentos? Você pensa em quê? No trabalho? Nos estudos? Na família? Nos relacionamentos? Problemas insolúveis?

– Em todos acima. E some a isso causas políticas e ideológicas também.

– Entendo. E você às vezes sente algum incômodo com isso?

– Sim. Durmo muito pouco, me isolo do mundo, me puno por tudo que acontece ao meu redor...

– E com que frequência isso acontece?

– A todo instante.

– Agora mesmo?

– Sim.

– Você pode descrever?

– Ah, doutor! Pensamentos perniciosos.

– Pensamentos perniciosos agora? De que tipo? Você sente vontade de matar? De transar? Pode falar, eu preciso saber a natureza desses pensamentos pra que a gente trabalhe junto sobre a orig...

– Não. Sinto vontade de citar algumas características desconfortantes das pessoas ao meu redor.

– Características desconfortantes? Mas todos têm defeitos, não acha?

– Acho não! Tenho certeza. E é por isso que eu não queria mais pensar sobre isso... o tempo inteiro.

– O que você vê de características desconfortantes em mim agora?

– Não vem ao caso, doutor.

– Pode dizer, eu sou profissional.

– Ok. Eu pensei no fato de que além da falsa preocupação que a maioria dos doutores têm, você ainda está sendo vaidoso ao querer saber o que eu penso sobre você.

– Não, de jeito nenhum.

– Viu? Você não se esquivou com um “ok, esse pensamento é blábláblá”. Você apenas quis se defender de uma acusação besta minha, um paciente qualquer. Típico vaidoso.

– A vaidade é um sentimento bom, às vezes.

– Hahahahahahaha!

– ...

– ...

– O que você tem é criticismitite maliciosa aguda, beirando à crônica. Muita gente vem aqui, ao meu consultório, com sintomas muito parecidos com o seu. O tratamento existe, mas é muito complicado e por isso vem com um livrete – que no momento acabou. Eu vou pedir para minha secretária postar para você todas as informações, assim que chegar nas minha mãos. Acredito que em um dia ou dois você vai ver esse livrete.

– Ok.

– Acabamos por hoje?

– Sim, sim!

– Tchau, rapaz! Espero ouvir boas notícias suas em breve!

– Ah, eu também! Tchau, doutor Facebook!


4 comentários:

  1. DOUTOR FACEBOOK
    HAUHAUAHUAHUAHUAHAUHAU

    The Paperboy
    http://the-paperboy.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. rsssssssss adorei.

    "no que você está pensando, xx ?"

    eu, quando entro em crise de ou estar errado sobre algo, ou confuso, ou entrar em alguma questão que vá de encontro com algum valor (de durkheim) meu, ligo pro Foxx pra tentar entender

    bjo GAROTO

    ResponderExcluir