terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Velha e louca.

Mais cedo ou mais tarde você tardará por escolher um bom caminho, depois de ter escolhido no passado um mau – eu sei disso. Todas as questões, todos os embates, todas as bifurcações que passarão pelo seu caminho levam a outras questões, embates e bifurcações. E você só saberá da estrada quando a tiver concluído. Não há outra, porque afinal, da vida só sabe quem viveu. Só há um meio de você descobrir o que tem além da morte. Só há uma escolha feita nisso tudo: viver... ou morrer. E não há certo ou errado para qualquer uma dessas escolhas. Ou se está vivo ou se está morto.

E eu... como não estou morto, vivo. Opto por não ter medo do ridículo. Porque acho que ridículo mesmo é se aprisionar, é acusar, é reprimir aquilo que se é – e apenas é. O verbo ser nada mais é que um Ser – ele não precisa se explicar. Ele pode simplesmente ser (o que ele quiser). Ridículo é isso: é negar a sua condição humana como Ser Humano.

Afinal, só porque vejo isso é motivo para eu ser o único culpado de um crime que todos cometem, mas fingem que não cometem? Eu, meu filho, demorei a atinar pra isso. Veja, você nasce em pecado e disso não dá pra negar. Ora! Você nasce com uma dívida social já de início com seus pais e familiares. E nem por isso você cogitou que tudo que ocorre ao seu redor é também responsabilidade sua. Ou seja, você não se bancou de vítima da situação, porque a situação também existe por sua causa.

Portanto, reveja. Reveja tudo que você fez e não se importe se está cometendo um erro, porque o erro é o acerto do futuro. E por falar em futuro, faça sua parte e esteja sempre em comum acordo com a sua situação, afinal de contas, as bifurcações existem para você poder escolhê-las, onde mais cedo ou mais tarde algo dentro de você te fará escolher uma má. E é sobre isso, sobre esse “algo dentro de você” a causa desse grande estardalhaço na sua vida! Sobre essa sensação de não estar fazendo aquilo que queria.

Uma frustração a mais ou a menos, filho, virão – são inevitáveis. Quanto mais velho, mais frustrações, mais dores – portanto desfrute a sua graça de viver! O estardalhaço só existe mesmo porque você não se aceita. Pra aqueles que estão do outro lado, deixe-os falar.

Escute os mais velhos, mesmo que eles sejam você mesmo. Dizem que depois de velha comecei a ficar gagá. São eles, meu neto... São eles que querem me levar pro asilo! Diga-lhes pra mim, conte pra eles que não sou louca!


2 comentários:

  1. Fantástico como sempre: "Uma frustração a mais ou a menos, filho, virão – são inevitáveis. Quanto mais velho, mais frustrações, mais dores – portanto desfrute a sua graça de viver! O estardalhaço só existe mesmo porque você não se aceita. Pra aqueles que estão do outro lado, deixe-os falar."

    Comentar o que?

    ResponderExcluir
  2. Tb não sei o que comentar.
    Tanta sabedoria numa cabecinha sem nenhum cabelo branco ainda.

    ResponderExcluir